segunda-feira, 29 de junho de 2009

Ricardo Rangel sepultado ao som de Charlie Parker


HOMENAGEM - 1924-2009: 15 de Junho, Salão Nobre do Conselho Municipal da Cidade de Maputo. “Now’s the time”, do fabuloso jazzman norte-americano Charlie Parker soa na sala vindo dos talentosos saxofonistas moçambicanos, Professor Orlando, Balói e do trompetista Guilherme, trio a que minutos depois se juntou o Moreira Chonguiça. Começava assim a despedida de Ricardo Rangel, “pai” e decano do fotojornalismo moçambicano. Assim começou porque não havia outra forma de procurar dizer adeus àquele corpo inerte à espera de ser levado à terra. Ricardo Rangel era um amante incondicional do jazz, sendo Charlie Parker o seu favorito.

Tinha chegado a hora. Familiares, amigos, apreciadores da sua arte de fazer fotografia, representantes do Governo e de outros segmentos da sociedade iam chegando ao Paços do Município de Maputo. Primeiro no átrio onde havia sido colocados dois livros de condolências e depois no Salão Nobre, lugar onde com honras de Estado foi lhe rendido a devida homenagem.

Todos curvaram-se perante o corpo inerte de Ricardo Rangel que, aos 85 anos, partiu silenciosamente sem que mesmo a dona Beatriz, sua inseparável esposa, desse conta. A morte por vezes tem disso, chega silenciosamente.
Todos curvaram-se porque, tal como disse Eduardo Constantino, Secretário-geral do Sindicato Nacional de Jornalistas (SNJ), “na verdade, Ricardo Rangel não é mais um simples mortal que se foi. É, sim, um, único e inigualável homem de cultura, do inconformismo lúcido que marcou gerações e construiu um legado que se tornou património para todos os moçambicanos e para todo o mundo”.

Amava o jazz um estilo de música estranho para muitos moçambicanos que lhe chegou pela via das emissões dos países aliados durante a II Guerra Mundial. Os primeiros discos são lhe oferecidos por marinheiros que escalavam o Porto de Lourenço Marques, actual Porto do Maputo.

Tornou-se especialista. Diz-se que possui a maior discoteca de jazz, cheia de raridades.
Lamentavelmente, como um dia escreveu o seu amigo Luís Bernardo Honwana, não tocava nenhum instrumento e por isso não participava como músico nas dezenas de jam-sessions que organizou.

“Mas há um aspecto da cultura jazzistica que confessadamente incorporou na sua actividade profissional. O dramatismo do contraste extremo, o uso do plano aproximado e o grão propositadamente excessivo de alguns dos seus trabalhos fotográficos – são lições da chamada fotografia de jazz de que se diz praticante”, escreveu Luís Bernardo Honwana.

Amava Charlie Parker, Thelonios Monk, Duke Ellington, Davis e outras figuras lendárias como Count Basie, Benny Goodman, entre outros.
Desse amor fundou uma das maiores bandas de jazz do país, o “Grupo Internacional de Jazz de Maputo” no qual militavam praticantes de várias nacionalidades. O pianista era suíço, o saxofone-tenor era holandês, o sax-alto era dinamarquês, o sa-baritono era inglês, o guitarrista era canadiano e o trombone estava a cargo de um sueco.

Internamente foram recrutados o contrabaixo Messias, Guilherme no trompete, Baloi no soprano, Mundinho no piano, Jacob e Paco na bateria, Filipe Tembe e Rachid no tenor.
Mas antes deste agrupamento, Ricardo Rangel realizou vários concertos e jam-sessions na cidade da Beira e Maputo, influenciando várias pessoas para o gosto do jazz.

Não foi por acaso que o seu velório e sepultura foram ao som de jazz. Tinha que ser assim para fazer jus à sua pessoa.
Depois de “Now’s the time” os metais dos nossos talentosos músicos Orlando, Balói, Guilherme e Chonguiça, soltaram “Blue Monk”, tema de Thelonios Monk e de seguida “My one and only love”.

Quando eram 13 horas e 20 minutos, o mestre de cerimonio anunciou o início de velório e Charlie Parker volta para o Salão Nobre, desta ao som audio. “A Night in Tunísia” era o tema que cruzava o espaço, depois foi “Dizzy Atmosphere”.

Foi um momento solene, sobretudo impar que comoveu a todos, em particular àqueles que tinham pouca informação sobre a ligação que o finado tinha com o jazz.

Chegou a Primeira-Ministra Luísa Diogo, eram 13.52 horas.
Mais uma vez o mestre-de-cerimónias usa da palavra anunciando o início do acto de apresentação das mensagens oficiais de condolências, intercaladas com cânticos do Grupo Coral da Universidade Eduardo Mondlane (UEM).

Aqui falou-se do fotojornalista que nos anos 60 denunciou com os seus “cliques” as humilhações e injustiças sociais perpetradas pelo regime colonial.
Ricardo Rangel foi merecidamente reconhecido pela sua acção na luta contra a dominação estrangeira e contra a agressão, pelo esforço que empreendeu na luta contra a pobreza e no reforço da auto-estima dos moçambicanos.

O contributo humano e profissional de Ricardo Rangel foi enaltecido nas mensagens de condolências da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Associação Moçambicana de Fotografia (AMF), dos autarcas de Maputo, do Partido Frelimo e do Governo Central, representado na ocasião pela Primeira-Ministra Luísa Diogo.

O FOTOJORNALISTA RICARDO RANGEL
Nasceu na então cidade de Lourenço Marques em 1924. Em 1941, entrou como aprendiz para o laboratório de fotografia do caçador de elefantes e fotógrafo profissional, Otílio Vasconcelos. Em meados dos anos 40 mudou-se para o laboratório do estúdio fotográfico " Focus ", onde começou a ganhar fama como impressor a preto e branco. Trabalhou para o diário bilingue " Lourenço Marques Guardian " e posteriormente para o jornal "Notícias". Em 1952 integrou a equipa do jornal " Notícias da Tarde ".

De 1960 a 1964, foi fotógrafo chefe do recém fundado " A Tribuna ", e em meados dos anos 60 trabalhou como fotógrafo na Beira para os jornais " Diário de Moçambique" e "Voz Africana", e posteriormente para o " Notícias da Beira ". Muitas das suas fotografias da época foram banidas ou destruídas pela censura colonial e muitas perderam-se.

Em 1970 e juntamente com um grupo de jornalistas fundaram a revista "Tempo", a primeira revista a cores do país.

Em 1977, após o êxodo da maioria dos fotógrafos da imprensa nacional, Ricardo Rangel foi nomeado fotógrafo chefe do jornal "Notícias" e foi-lhe confiada a direcção e formação de uma nova geração de fotojornalistas.

Em 1978, foi um dos fundadores do Sindicato Nacional dos Jornalistas - SNJ e em 1981 foi nomeado director do semanário "Domingo". Também em 1981 foi um dos fundadores da Associação Moçambicana de Fotografia - AMF.

Em 1983, foi nomeado para fundar e dirigir o Centro de Formação Fotográfica - CFF, onde trabalhou como director até a data da sua morte.

João Fumo

1 comentário:

oscar disse...

Hola!

Mi nombre es Oscar Aguilar, a través de la web encontré tu página
y me pregunto si te gustaría intercambiar enlaces
con una de mis webs. Actualmente tengo una web de Modelos Famosas y
estoy buscando otras páginas relacionadas para enlazar a mi web.

Tu enlace estarìa en:

http://www.cantantesybiografias.com/

Si te interesa, por favor agrega a tu página la siguiente información
de mi enlace y hazme saber cuando este listo para colocar tu enlace
inmediatamente.

Mi información es:

Titulo: Video de Chicas

Por favor el titulo enlazado a esta URL:

http://www.chicasybikinis.com/

Descripción(opcional):

Fotos de alta calidad de las chicas mas bellas.


Quedo a la espera de tu respuesta.

Oscar Aguilar
oscar.aguilar@cantantesybiografias.com

Webmaster

PD - Con el fin de seguir las políticas anti-spam, si no deseas recibir
más solicitudes de este tipo por favor llena el siguiente formulario:
HTTP://WWW.NOMOREMAILS.COM o manda un mail a: STOP@NOMOREMAILS.COM y
evitaremos contactarte nuevamente.